Anankê – Há 27 anos promovendo a saúde mental em Brasília 

Endereço:

SCRLN 712/713 Bloco C, Lojas 4 e 5 Brasília-DF CEP: 70.760-630

Apresentação

 

Esta unidade que foi criada em outubro de 2012, após 21 anos de experiência em saúde mental, surgiu como tentativa de quebrar o ciclo das frequentes, sucessivas e prolongadas internações de nossos pacientes.

Necessitava-se criar dispositivos clínicos capazes de acolher e levar a bom termo o episódio agudo, entendendo a crise não apenas como um mal a ser evitado, mas também como um processo fecundo capaz de engendrar mudanças importantes.

Trata-se essencialmente de intervenções que visam acolher a crise em sua complexidade e oferecer ao paciente os cuidados precisos que ele necessita.

Ênfase e dada ao caráter preventivo destas intervenções, que antes de priorizar a urgência, a redução dos sintomas, a readaptação sócio familiar, procura ganhar tempo suficiente para a escuta, o estabelecimento de vínculos e a valorização dos fenômenos anteriores ao episódio atual.

É preciso centrar na problemática intrapsíquica e nas relações interpessoais do paciente, sem esquecer que a família também necessita de acolhimento e cuidados.

O planejamento e a sustentação dos tratamentos de longo prazo em hospitais dia e ambulatórios, possibilitados pelos vínculos terapêuticos estabelecidos, permitirão a reinserção sócio-familiar e uma maior estabilidade do paciente.

 

Público Alvo

Pacientes com graves distúrbios psíquicos, que necessitam de grande continência, pois apresentam riscos para si mesmos ou para terceiros.

 

Objetivos

  • Acolher e tratar pacientes em crise, oferecendo possibilidades de escuta e elaboração do sofrimento.
  • Estabelecer vínculos terapêuticos capazes de sustentar o planejamento e o encaminhamento de tratamentos de longo prazo em hospitais dia e ambulatórios.
  • Prestar assistência às famílias levando-as a participar efetivamente do tratamento

 

Como Funciona

Assim que chegam a Unidade, o paciente e seus familiares são acolhidos por um medico, um psicologo e pela equipe de enfermagem. Feita a avaliação inicial sobre a indicação de internação, processa-se a mesma quando for o caso, oferecendo ao paciente e família, as informações e orientações sobre o funcionamento da Unidade, suas normas e rotinas.

 

Acolhimento

Nesta primeira fase, o paciente fica no leito de observação, com acompanhamento intensivo. Entretanto, e convidado a participar com os demais, de todas as atividades oferecidas: atividades físicas, oficinas de arte, oficinas de poesia, oficina do corpo e demais atividades rotineiras.

Integra também um dos grupos de acolhimento, sendo estimulado a falar da crise que redundou em sua internação. Avaliações psiquiátricas são rotineiras, visando a adequação da medicação, bem como, a evolução do tratamento.

A família e atendida, juntamente com o paciente, uma vez por semana, além de participar do Grupo de Familiares que acontece nos sábados de manha. A duração desta fase depende de cada caso. Leva-se em consideração o estado geral do paciente e, principalmente, os riscos que ele possa oferecer para si e para terceiros.

 

Tratamento

Aqui discriminada apenas para efeito didático, vez que o acolhimento também é parte do tratamento, esta fase inicia-se pela execução do projeto terapêutico delineado, levando-se em conta as elaborações feitas em reuniões clinicas semanais, que contam com a participação de toda a equipe. Em geral, nesta fase, o paciente já deixou o leito de observação e esta alojado na casa principal.

A participação nas atividades terapêuticas e cada vez mais estimulada, especialmente nos grupos de acolhimento, em que e possível processar a elaboração da crise , bem como, do sentido do tratamento, do projeto terapêutico e da alta.

As reuniões familiares continuam acontecendo, semanalmente, sendo as vezes intensificadas. As dificuldades e os conflitos advindos do convívio diário tem no Grupo Institucional, que acontece nas tardes de sexta feira, amplas possibilidades de escuta e elaboração.

 

Alta

A alta é cuidadosamente preparada, com o paciente e sua família. O planejamento dos tratamentos de longo prazo já deve estar concluído e os contatos e encaminhamentos para continuidade do tratamento no pós crise já realizados. Este e um aspecto fundamental, pois o que se pretende a médio e longo prazo e evitar o desencadeamento de novas crises que redundem em novas internações.

 

A Equipe Terapêutica

É composta por profissionais de diferentes especialidades: psicólogos, psicanalistas, psiquiatras, enfermeiros, técnicos de enfermagem, nutricionista, professor de educação física, todos com formação e experiência em saúde mental.

As supervisões, as reuniões clínicas e de estudo de caso são consideradas de igual importância ao trabalho realizado com os pacientes. São nestas ocasiões que se constroem as condições necessárias à elaboração teórico-clínica que sustenta a direção dos tratamentos.

Conheça Nossa Equipe Médica

Clique no botão para mais informações.

FAQ

Existem situações médicas que exigem o tratamento em um ambiente diferenciado. Por diversas razões, este tratamento precisa ser realizado em um meio que ofereça condições de melhor enfrentamento da mencionada situação médica.
Quando uma pessoa não quer se internar voluntariamente, pode-se recorrer à internação involuntária ou à internação compulsória. São dois tipos diferentes de internação.
Internamento compulsivo ou internação compulsória é a prática de utilizar meios ou formas legais como parte de uma lei de saúde mental para internar uma pessoa em um hospital mental, asilo psiquiátrico ou enfermaria mesmo contra a sua vontade ou sob os seus protestos.